Percepção e gerenciamento de emoções

Shana Wajntraub 4 minutos

Folder

A profissão médica é reconhecidamente uma profissão que exige muita dedicação, trabalho, estudo e equilíbrio emocional. Afinal de contas, ser responsável pelo bem-estar, pela saúde e muitas vezes diretamente pela vida de seu paciente não é fácil. Isso sem falar nas relações familiares que cercam cada caso.

Com a pandemia de covid-19, os médicos foram ainda mais exigidos. Além da sobrecarga de trabalho, foi necessário encarar o desconhecido para salvar vidas, além do medo de também estar exposto ao vírus e de transmiti-lo a seus familiares. Tudo isso exigiu dos médicos um gerenciamento de emoções muito grande.

Mas afinal, o que significa gerenciar as emoções?

A psicóloga Shana Wajntraub ressalta que ser dominado por uma emoção sem refletir sobre ela é perder o contato com o seu lado racional. E para o médico isso é fundamental. “Quando você deixa de racionalizar, você corre o risco de reagir como um ‘carro desgovernado’, tendo que administrar as consequências depois do ‘acidente’. Por isso, é importante desenvolver a inteligência emocional”.

Segundo a especialista, a inteligência emocional é fundamental para saber sentir e pensar ao mesmo tempo, para agir de forma consciente e criativa, sem deixar que emoções inadequadas controlem sua rotina. “Lembre-se: sentir emoção é essencial, mas no momento certo e da maneira certa”, avalia.

Isso fica ainda mais evidente na prática médica, uma vez que o profissional enfrenta muitas frustrações, pressões e urgências que podem levar ao estresse e dificuldades de conduta. Para Wajntraub, ao desenvolver a inteligência emocional, o médico irá interagir de forma positiva e asseriva com as pessoas, terá uma boa qualidade de vida e conseguirá ser produtivo.

Lidando com pessoas: pacientes e equipe

Lidar com pessoas é uma arte, sejam pacientes, colegas ou colaboradores, e em um ambiente de pressão desenvolver esta competência, onde tudo está à flor da pele, é ainda mais desafiador.

De acordo com uma pesquisa da Korn Ferry, entre pessoas com gerenciamento emocional desenvolvido, 92% têm equipes com alta energia e alta performance. Entretanto, aqueles com com baixo gerenciamento emocional criaram climas negativos em 78% do tempo.

Para exemplificar os dados, Wajntraub compartilhou o seguinte relato. “Acompanhei uma amiga ao médico, pois ela não se sentia bem. Ao chegarmos no atendimento emergencial, o médico percebeu que ela estava abalada emocionalmente e teve o cuidado para fazer uma boa escuta ativa com expressões faciais acolhedoras. Esta conduta é um diferencial e está relacionada com perceber o outro e ter o cuidado necessário que o contexto exige. Isto pode ajudar até para não ter uma relaçã ‘fria’ com o paciente”, ressalta.

Além disso, a especialista enfatiza que pessoas que sabem gerenciar relacionamentos são notadas pelas capacidades de influenciar os outros, gerir conflitos e trabalhar em equipe.A dica é entender que cada pessoa funciona de uma maneira e que é responsabilidade do profissional médico aprender o funcionamento de cada uma delas para então moldar como deve se portar.

Dicas práticas: como realizar o gerenciamento das emoções

Estratégias de autoconsciência: 

  1. Evite rotular seus sentimentos, escute-os;
  2. Note as consequências de suas emoções;
  3. Enfrente seu desconforto, evite ignorá-lo;
  4. Sinta as emoções no seu corpo;
  5. Saiba a causa dos seus sentimentos, principalmente o que o irrita;
  6. Observe a si mesmo(a) como se estivesse pensando em outra pessoa;
  7. Para e se pergunte por que você faz as coisas que faz;
  8. Faça check-up constantes;
  9. Identifique suas emoções em livros, filmes e músicas;
  10. Conheça a si mesmo(a) em situações de estresse.

Estratégias de autogestão: 

  1. Respire direito e lentamente;
  2. Conte até dez;
  3. Não tome decisões precipitadas, pense estrategicamente;
  4. Converse com um bom mentor;
  5. Incorpore mais sorrisos à sua vida;
  6. Garanta uma boa noite de sono;
  7. Converse com alguém que não seja emocionalmente envolvido no seu problema;
  8. Aprenda uma valiosa lição com as pessoas que cruzam seu caminho;
  9. Troque julgamento por curiosidade, especialmente sobre o que você interpreta dos comportamentos alheios.

Faça parte da nossa Newsletter e receba assuntos exclusivos
para impulsionar sua carreira médica.

x

Revista DOC nova edição

100% gratuita

Faça seu download