Covid-19 e o impacto na saúde mental dos médicos: como lidar?

A pandemia de Covid-19 trouxe desafios e preocupações aos médicos, e esse estresse pode impactar diretamente sua saúde mental. Para ajudar com essas armadilhas, listamos algumas dicas para promover sua saúde e garantir qualidade de vida

Folder

Em geral, o cotidiano do médico é bem agitado e envolve uma série de atividades, entre elas acordar cedo, atender pacientes no consultório por longos períodos e, muitas vezes, realizar plantões noturnos em hospitais e clínicas. Essa rotina corrida propicia algumas armadilhas no caminho do médico, que podem vir disfarçadas na forma de estresse elevado e de falta de motivação. Nos últimos meses, esse estresse causado pelo excesso de trabalho acabou tomando proporções ainda maiores na saúde mental dos médicos devido à pandemia de Covid-19.

De fato, aqueles que atuam na linha de frente no enfrentamento à Covid-19 estão tendo sua saúde mental especialmente afetada. De acordo com um levantamento divulgado em 2020 pela Associação Paulista de Medicina (APM), 86,6% dos médicos afirmam que seus colegas estão apreensivos, ansiosos, deprimidos, pessimistas e insatisfeitos.

Entre as principais alterações que essa ansiedade causa nos profissionais de saúde estão a apatia e a angústia. Outros ainda podem se sentir mais irritadiços que o normal, com aumento nos conflitos interpessoais.

Por isso, para lhe ajudar a escapar desses sabotadores, listamos a seguir algumas dicas de como ultrapassar esses obstáculos e melhorar sua qualidade de vida. Confira!

1- Estabeleça limites

Um dia corrido pode desencadear estresse e irritação. Para aliviar a tensão, busque o suporte familiar e tente desabafar com parentes e amigos. Além disso, reserve um tempo, mesmo que reduzido, para você ficar longe das preocupações, defina limites e prioridades para não se sobrecarregar e controle sua respiração. A forma como controla a respiração pode fazer um momento estressante diminuir de intensidade.

2- Mantenha o corpo em movimento e adote uma boa alimentação

Uma armadilha comum entre os médicos é dar um conselho para seus pacientes, mas não ser o próprio exemplo, como no caso das atividades físicas e da alimentação. Reservar na agenda 30 minutos para se dedicar aos exercícios é muito importante. Pequenas medidas diárias também podem ser eficazes, como estacionar o carro mais longe e caminhar até o trabalho, trocar o elevador pelas escadas e alongar-se de hora em hora.

Sobre a alimentação, procure fazer cinco refeições diárias e beber bastante água. Muito comum na rotina dos médicos são os famosos restaurantes por quilo. Aqui a dica é dar uma olhada geral nas opções disponíveis antes de escolher os alimentos. Isso evitará exageros.

3- Aprenda a gerenciar o seu tempo

Equilibrar o trabalho e os papéis da vida exige boas habilidades de gerenciamento de tempo. Isso envolve estabelecer metas de curto e longo prazo, planejamento, organização e abstenção de atividades que desperdiçam tempo.

4- Coloque-se em primeiro lugar

Há diversas evidências de que trabalhar menos horas está associado a um risco reduzido de burnout. O Relatório de Burnout, Depressão & Suicídio do Medscape National Physician de 2019 mostrou que 36% das pessoas que trabalhavam de 31 a 40 horas por semana tinham sintomas de burnout; esse número chegava a 50% no grupo que trabalhava de 61 a 70 horas e a 57% no grupo que trabalhava mais de 71 horas. Por isso, reveja suas responsabilidades e prioridades.

Compartilhe