Medicina Integrativa: o que é e quais suas vantagens?

Você sabe o que é Medicina Integrativa e quais são as suas principais vantagens? Conheça mais sobre essa prática médica, que vem ganhando popularidade entre os pacientes

Folder

Cada vez mais as pessoas vêm buscando novas formas de tratamento. Assim, métodos mais eficientes e humanizados são exigidos pelos pacientes, e a tendência é que essas técnicas alternativas sejam mais adotadas. Uma dessas formas de tratamento é a Medicina Integrativa, um método que, como o próprio nome sugere, trata o paciente de forma integrada e humanizada.

Para a Drª. Natália Santos, médica que trabalha com a modalidade, o interesse pela área surgiu de forma muito natural, já que gosta de temas que envolvam o envelhecimento saudável. “Eu comecei a estudar sobre prevenção e envelhecimento saudável e, assim, naturalmente meu caminho foi mudando de rota em direção à Medicina Integrativa”, conta a médica.

Nesse cenário, a relação entre médico e paciente é extremamente importante, pois todo o tratamento é individualizado, baseado nas demandas e necessidades das pessoas. Isso acontece porque, diferentemente do ponto de vista tradicional, na Medicina Integrativa a saúde é a soma de aspectos que vão além da área biológica, incluindo também as partes emocionais, sociais, mentais e espirituais.

Além disso, essa prática coloca o paciente como protagonista do seu tratamento. Ou seja, ele deixa de ser um receptor de remédios, exames, e começa a se ver como principal agente para sua saúde. Nesse método, os profissionais da Saúde têm como objetivo alcançar as melhores condições para o paciente, visando não apenas a cura de uma doença específica, mas uma melhora na qualidade de vida.

Principais vantagens

Com a Medicina Integrativa, o paciente trata do seu problema de maneira completa, sem qualquer prejuízo ao tratamento médico tradicional. Em vez de buscar a cura olhando apenas para o órgão ou sistema que está doente, a Medicina Integrativa propõe um olhar amplo sobre o corpo, a mente e o espírito. Ao fazer isso, ela propõe uma redução do estresse e aumento do bem-estar, aliviando sintomas e proporcionando um reequilíbrio interior.

Natália acredita que essa visão global e holística das pessoas é muito importante no tratamento como um todo. “Isso é fundamental para mudanças no estilo de vida e, consequentemente, na vida dos pacientes”, afirma. Além disso, a boa prática da Medicina Integrativa também pode ser crucial na prevenção de possíveis doenças. Com acompanhamento psicológico, por exemplo, um paciente acima do peso pode aprender a lidar melhor com situações de estresse, sem utilizar uma das causas desse distúrbio, como a compulsão alimentar.

Relação médico-paciente

Um dos processos mais importantes da Medicina Integrativa é o fortalecimento da relação entre o médico e o paciente. Com essa abordagem, o profissional da Saúde analisa os aspectos do seu público, sendo necessário um olhar humanizado, sabendo escutá-lo e construindo uma relação duradoura. Nesse sentido, é preciso saber quem é a pessoa, como é a sua rotina, sua vida social, situação econômica, visualizando o ser humano em sua totalidade.

Segundo Natália, a modalidade pode ser extremamente benéfica nessa relação. “A relação médico-assistente sempre foi vertical, mas na Medicina Integrativa, essa relação é horizontal – com trabalho mútuo é possível atingir o sucesso do tratamento. E isso claramente fortalece essa relação”, defende.

O tratamento do paciente pode ser compartilhado entre médicos, nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas,  enfermeiros etc., trabalhando em conjunto e disponibilizando todos os seus conhecimentos. Dessa maneira, há a construção de uma verdadeira relação entre o médico e o paciente, tornando até mesmo o processo de fidelização mais fácil.

Compartilhe