Os benefícios do voluntariado para a carreira médica

Entenda melhor como o voluntariado pode fazer a diferença em sua trajetória na Medicina

Folder

O voluntariado é extremamente benéfico a todas as pessoas envolvidas nas ações. De forma geral, na Medicina, tornar-se um médico voluntário é uma tarefa que envolve comprometimento e força de vontade para fazer a diferença na sociedade. Especificamente para a carreira, os benefícios do voluntariado abrangem desde manutenção da saúde emocional do próprio profissional até a promoção de acesso à saúde e a apresentação de um currículo admirável.

Para muitos profissionais, voluntariar-se faz parte da própria prática e do compromisso firmado com a Medicina. Portanto, é possível notar o quanto essas ações geram resultados aos profissionais e à população. A seguir, apresentaremos as vivências de um médico voluntário e de uma ONG parceira, que realiza um trabalho com pessoas sem acesso ao sistema de saúde. Esses exemplos ultrapassam as barreiras nacionais e geram muitos ensinamentos sobre empatia e responsabilidade social na Saúde.

Caso de sucesso

Médico formado desde 1971, Rui Ferreira, especializado em Cirurgia Geral, Cirurgia Plástica, Cirurgia da Mão e Microcirurgia, atualmente realiza cirurgias plásticas gratuitas em vítimas de conflitos e outras complicações de saúde no exterior. A iniciativa faz parte de uma parceria com a ONG francesa La Chaîne de l’Espoir (em português: A Corrente da Esperança). O trabalho conjunto surgiu por meio de um convite de viagem à Colômbia, país com uma grande quantidade de malformações congênitas.

Ferreira também participa de ações na Palestina com o apoio da ONG americana Palestine Children’s Relief Fund (PCRF). O médico revela que cada uma das organizações tem uma equipe que coordena essas missões e seus voluntários.

De acordo com o especialista, colaborar para melhorar a qualidade de vida de diversas pessoas ao usar o conhecimento para ajudar os mais necessitados e formar novos cirurgiões é um prazer. “Faço a minha parte sem interesse financeiro. Então fico feliz ajudando, ensinando e aprendendo”, afirma.

Promoção de acesso

A falta de acesso à saúde, vivenciada por pessoas de diversos países do mundo, é o principal fator motivacional para as ações de Rui Ferreira. No caso da La Chaine de l’Espoir, a razão é a mesma. O microcirurgião Philippe Valenti, vice-presidente e um dos membros fundadores da ONG francesa, revela que o principal objetivo da organização é operar crianças excluídas do sistema de saúde, independentemente de seu lugar de nascimento.

Além disso, ele também conta que há o intuito de formar cirurgiões locais e acolhê-los nos serviços por meio de bolsas de formação. “A cirurgia em vítimas de conflitos é complicada em razão da gravidade das lesões. Por isso, operá-los em local protegido, com material adaptado, formar outros cirurgiões para essas situações e ter ajuda psicológica é essencial para essas missões”, acrescenta.

Além disso, o vice-presidente revela que há locais que demandam um número maior de ações, como os países nos quais há cirurgiões a se formar, onde o setor é muito deficiente e, principalmente, aqueles nos quais a ONG constrói hospitais – como Afeganistão, Mali e Senegal. “Para um cirurgião, o ato de tratar uma pessoa excluída do sistema de saúde de seu país faz parte do auge de seu trabalho, permitindo, principalmente, que os mais carentes consigam ter acesso a uma cirurgia de excelência”, garante.

Como se tornar um voluntário

Os exemplos evidenciados anteriormente demonstram ações voluntárias que ultrapassam fronteiras. Entretanto, optar por um serviço voluntário pode ser simples e a atuação do médico pode ser nacional. Para se tornar um médico voluntário, você pode iniciar ações dentro de sua rotina profissional, em seu próprio consultório ou clínica, ajudando a transformar a realidade da sua comunidade. Alguns exemplos de iniciativas voluntárias para realizar durante a carreira são:

  • Atendimentos gratuitos ou com preço acessível prestados a pessoas sem condições financeiras;
  • Participação em campanhas de saúde;
  • Parcerias com alguma ONG com a qual se identifique;
  • Iniciativas de atendimento a comunidades carentes.

Compartilhe